Maurizio Cattelan está leiloando sua coleção de lenços da Liga dos Museus

Quando Maurizio Cattelan não estava ocupado esculpindo dedos médios gigantes ou pendurando cavalos taxidermizados no teto durante os últimos dois anos, ele estava pensando em fazer lenços. No final do ano passado, o artista chamou a marca de design italiana Seletti para ajudá-lo a criar uma série de lenços de malha inspirados em equipes com nomes de museus de todo o mundo, como o Guggenheim, Fondazione Prada, Hamburger Bahnhof e muito mais. Uma tiragem limitada desses lenços foi vendida em cada museu, e hoje à noite, Cattelan está leiloando sua coleção pessoal de lenços da Liga dos Museus, que ele fez sob sua própria marca, Made in Catteland, no Phillips’s 20th Century & Contemporary Art Evening Sale. Todos os lucros do leilão, estimados em mais de US $ 20.000, irão diretamente para o Museu do Brooklyn. Cattelan chama o projeto do lenço como parte de sua iniciativa contínua de promover “arte para todos”, na qual ele espera quebrar as barreiras tradicionais entre os amantes da arte do dia-a-dia e aqueles poucos que podem realmente comprar arte. Além disso, ele pretende tornar a arte mais disponível para aqueles que normalmente não a encontram.

“Quando você coloca arte nas lojas, é uma forma de torná-la mais acessível”, explica Cattelan. “Colocar esses lenços em leilão é uma forma de torná-los mais visíveis e ambas as formas ampliarão o público.” Ele acrescenta: “Vamos deixar quem já comprou os lenços mais felizes, porque aumenta seu valor e, por outro lado, com o valor que for arrecadado no leilão, o Museu do Brooklyn poderá adquirir uma obra de um jovem artista para sua coleção. ” Cattelan também acredita que criar arte vestível tem grande valor, assim como colaborar com marcas de moda e design para abrir a conversa sobre seu trabalho entre diferentes públicos. Por exemplo, ele tem uma forte parceria com a Gucci e, juntos, estão trabalhando em um show que será inaugurado em Xangai em outubro. A exposição incluirá mais de 40 artistas e investigará as cópias como fonte de originalidade. Cattelan vê a colaboração com a Gucci como outra forma de mudar a percepção geral de que o mundo da arte não é inclusivo.

“Os tempos estão mudando”, explica ele. “Todos nós eventualmente teremos que aprender um novo formato com o qual possamos nos relacionar - o mundo da arte não pode ficar para trás e deve evoluir usando essa linguagem. Made in Catteland é um projeto que visa superar os limites da obra de arte como estamos acostumados a pensar nela: explorando novas possibilidades de atingir o público através da criação de novas formas de arte. ”

Quer mais passarela da Vogue? Assine nosso boletim informativo para ficar por dentro das últimas notícias, análises da Fashion Week, tendências e muito mais.